Resenhas

domingo, 16 de outubro de 2016

[RESENHA] "O GUARDIÃO", DE NICHOLAS SPARKS

Nome: O Guardião
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Arqueiro
Onde ComprarBuscapé

Aos 25 anos, a doce Julie Barenson perdeu seu grande amor para uma doença impiedosa. Porém, ao partir, o marido lhe deixou dois presentes inesperados: um filhote de cão dinamarquês chamado Singer e a promessa de que cuidaria dela para sempre, onde quer que estivesse.

Quatro anos depois, Julie enfim está pronta para tentar amar de novo e se vê dividida entre Richard Franklin, um belo e sofisticado engenheiro que a trata como uma rainha, e Mike Harris, um mecânico gentil que – junto com Singer – tem sido seu melhor amigo desde que ficou sozinha. Ela tem que tomar uma decisão. Só não pode imaginar que, em vez de lhe trazer felicidade, essa escolha transformará sua vida num pesadelo causado por um ciúme tão doentio que está a um passo de se tornar criminoso.


O guardião contém tudo o que os leitores esperam de um romance de Nicholas Sparks, mas desta vez ele se reinventa e acrescenta um novo ingrediente à trama: páginas e mais páginas de muito suspense.

Sabe quando vem a calma após a tempestade, aquele momento em que olhamos para a janela e pensamos: "uau, quanto tempo se passou desde que tudo aconteceu"? Acho que Julie olhava assim para a sua vida no momento. Quatro anos após a morte de Jim, ela consegue lembrar dos momentos de luto e da dor que sentia pela perda do marido como um passado distante. Hoje, suas memórias são de saudade agridoce, aquele misto de dor e saudade. 


Jim estaria sempre em suas memórias, sejam antigas ou recentes. Singer, o cão que Jim lhe presenteou no Natal após sua morte era como um lembrete constante. Apesar de no início não querer o cão, Julie percebeu que Jim sabia o que estava fazendo ao lhe dar uma companhia constante e um guardião. 
" A caminho do trabalho, quando olhou de novo pelo retrovisor, Singer ainda não havia se virado de frente nem inclinado a cabeça para o lado a fim de deixar o vento bater em sua língua e em suas orelhas, como costumava fazer. Assim que Julie estacionou, ele saiu do carro. Embora ela o tivesse chamado, Singer seguiu seu caminho, atravessando a rua e se dirigindo à oficina.
Cães.
Ás vezes, pensou Julie, eles eram tão infantis quanto os homens."
Julie sabia que não podia desistir da vida por Jim ter morrido, e assim continuou a viver um dia de cada vez. O mesmo valia para os relacionamentos amorosos, que no momento só deixavam a desejar. Até que ela conhece Richard, um homem diferente que sabia como tratar uma mulher. Decidida a levar as coisas devagar, Julie se surpreende com os encantos de Richard, e fica inclinada a lhe dar uma chance. 

Só que as coisas não saem muito da forma que ela planejara, e o motivo tinha nome: Mike. O melhor amigo de Jim, alguns anos após a morte do mesmo, percebeu que seus sentimentos por Julie iam muito além de mera afeição. Mas sabia também que havia muitas coisas que tornavam difíceis para ele tentar começar um romance com ela. Julie sempre sentia que era errado se envolver com o melhor amigo de seu falecido marido, e achava um pouco estranha a ideia de namorar ele. Ela e metade da cidade sabiam dos sentimentos de Mike por ela, mas a timidez e as lembranças de Jim o impediam de fazer algo.
" Ao observar Mike vestindo o blazer, Julie pensou no fato de que ele era amigo dela havia anos e que dar um passo adiante poderia ser o fim de tudo isso. Valeria a pena arriscar?, perguntou-se. Não tinha certeza.
E beijar Mike seria como beijar um irmão?
Julie também não sabia.
Ainda assim, como uma jogadora diante de uma máquina de caça-níqueis esperando que a próxima mudasse sua vida para melhor, aproximou-se antes que perdesse a coragem. Pegou a mão de Mike e o puxou em sua direção, perto o suficiente para sentir o corpo dele junto ao seu. Ergue os olhos para ele, inclinando ligeiramente a cabeça ao se mover para a frente. " 
Até que Julie decide se arriscar e chama Mike para sair. A conexão entre eles, que antes já era forte pelos laços da amizade, se torna irresistível e fascinante. Decidida a explorar melhor aquilo, Julie decide por um fim no que ainda nem havia começado com Richard. Mas será que as coisas darão certo para ela e Mike? E como fica Richard nessa história? 
"Mike, percebendo o que acontecia, mas ainda sem acreditar, inclinou a cabeça e fechou os olhos e seus rostos se aproximaram.
Na varanda, mariposas voavam ao redor da lâmpada, batendo nela como se tentassem atravessar o vidro. Uma coruja piou em uma árvore próxima.
Mike, contudo, não ouviu nada. Perdido no toque suave de Julie, teve certeza de uma coisa: no instante em que seus lábios se tocaram pela primeira vez, houve uma vibração quase elétrica que o fez acreditar que aquela sensação duraria para sempre."
Algumas pessoas já falaram que eu conto demais do livro na resenha, mas acho que neste caso eu não errei. Quando eu li a sinopse, imaginei que sabia do que a história tratava: mais um dos enredos melosos  e deprimentes do autor. Já confessei aqui antes que sempre odiei suas obras, e descobri algumas pessoas preciosas que concordam comigo, como também encontrei algumas que discordaram. 

A minha aversão às suas obras tinha fundamentação sólida: se na vida a gente experimenta, de primeira mão, vários tipos de tristezas e sofrimentos, seja por doenças ou corações partidos, por quê, em nome de Deus, eu deveria gastar meu tempo lendo sobre isso e me enchendo de sentimentos negativos?

Sempre evitei a todo custo suas obras, e as únicas que consegui ler e gostar foram: "A Escolha", "A Última Música", "Uma Longa Jornada" e "Um Porto Seguro". Recentemente adicionei "No Seu Olhar" e este livro maravilhoso que acabei de apresentar. Nada, absolutamente NADA me preparou para esse enredo viciante. Julie me surpreendeu por tamanha força; odeio heroínas choronas que reclamam de tudo. Julie passou por maus bocados desde criança, para sofrer mais na adolescência e quando pensou ter encontrado um pouco de felicidade, a vida vem e tira tudo dela. Mas o que ela fez a respeito? Ela continuou lutando. Me encantei com sua forma de ver a vida, e de não desistir nunca.

Achei que teria de aguentar um romance chato, mas foi o contrário. Com muita leveza, conhecemos esse triângulo amoroso, e acompanhamos o desenrolar do mesmo através da visão dos três. Honestamente, desde o início eu fui Team Mike, talvez por ter me identificado mais com ele. Richard me deixou com o pé atras desde o início, e isso se deve ao fato de Singer também não ter gostado dele. Caso vocês não saibam, cachorros são ótimos julgadores de caráter.

O enredo me prendeu muito, com um thriller bem construído e surpreendente. Claro que logo no início você já consegue perceber quem é quem na história, mas prever as ações dos personagens é impossível, o que te deixa doido para saber o que acontecerá e como cada um reagirá a determinado fato. 

Foi uma baita surpresa esse livro, e hoje eu encho o saco de todas as minhas amigas para lerem, pelo simples fato de ser maravilhoso. Nada de doenças incuráveis, nada de amor proibido. Uma história real e ao mesmo tempo mágica. Parei para pensar em quantas mulheres devem passar o mesmo que Julie passou, mas que não sabemos que estas existem, pois a sociedade não fala a respeito. A leitura foi tão fluída que quando acabou eu me entristeci, pois não queria perder o contato com estes personagens que me conquistaram. Espero sinceramente que de alguma forma eu tenha te estimulado a ler, porque esse livro é aqueles achados, que você lê sem esperar muita coisa e acaba encontrando um dos seus favoritos. Espero muito que gostem!


Clique aqui e leia um trecho do livro, disponibilizado no site da Arqueiro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO

O blog Paixonites Literárias não incentiva o download ilegal de livros. Por favor, peço para que não utilizem esse espaço de comentários para solicitar ou fornecer livros e/ou sites para download. Comentários dessa espécie serão excluídos.