Resenhas

sábado, 11 de junho de 2016

[RESENHA] "A REBELDE DO DESERTO", DE ALWYN HAMILTON

Nome: A Rebelde do Deserto
Série: A Rebelde do Deserto #01
Autora: Alwyn Hamilton
Editora: Seguinte
Onde comprar: Buscapé

Livro cedido pela Editora Seguinte
O deserto de Miraji é governado por mortais, mas criaturas míticas rondam as áreas mais selvagens e remotas, e há boatos de que, em algum lugar, os djinnis ainda praticam magia. De toda maneira, para os humanos o deserto é um lugar impiedoso, principalmente se você é pobre, órfão ou mulher.

Amani Al’Hiza é as três coisas. Apesar de ser uma atiradora talentosa, dona de uma mira perfeita, ela não consegue escapar da Vila da Poeira, uma cidadezinha isolada que lhe oferece como futuro um casamento forçado e a vida submissa que virá depois dele.

Para Amani, ir embora dali é mais do que um desejo — é uma necessidade. Mas ela nunca imaginou que fugiria galopando num cavalo mágico com o exército do sultão na sua cola, nem que um forasteiro misterioso seria responsável por revelar a ela o deserto que ela achava que conhecia e uma força que ela nem imaginava possuir.


A História


"A Rebelde do Deserto" nos leva até Miraji, onde criaturas imortais que comandaram o mundo há muitos anos agora vivem em locais isolados, dominando apenas as histórias aterrorizantes contadas por mortais. Nesse país as leis são rígidas e os homens é que comandam, enquanto as mulheres são vistas como seres inferiores, com pouca influência e obrigadas à submissão.

Em um pequeno povoado chamado Vila da Poeira vive Amani, uma jovem de dezessete anos que foi obrigada a morar com a tia após a morte de seus pais. Amani sempre sonhou em fugir para Izman, a cidade das histórias que sua mãe contava, mas esse desejo se torna uma desesperadora necessidade quando ela descobre que seus tios estão planejando arranjar um casamento para ela.

Depois de algumas tentativas falhas de fuga, a garota deixa a Vila da Poeira para trás na companhia de Jin, um estrangeiro misterioso que ela conheceu há pouco tempo e que por algum motivo está sendo caçado pelo exército do sultão. Ser envolvida nessa perseguição atrapalha e modifica os planos de Amani, que de repente se vê no meio de uma rebelião liderada por um príncipe que até muito recentemente estava perdido - uma lenda vida entre os mirajins.
“Ele tinha desaparecido no deserto para começar uma rebelião e tomar o poder. Uma nova alvorada. Um novo deserto.
Amani jamais se imaginou como parte de um grupo que luta por uma revolução, mas ela também deseja um país mais justo, onde a vida não seja tão dura e a mulheres sejam livres para fazerem suas próprias escolhas. Sua jornada a leva por caminhos sinuosos, onde ela faz amigos e inimigos, encontra sua força e coragem e, principalmente, descobre um grande segredo sobre uma pessoa que ela achava conhecer tão bem – ela mesma.
“A realidade era mais louca e aterrorizante e intoxicante, e mais incerta, do que eu imaginara. E eu poderia fazer parte daquilo. Se quisesse. Estava ficando tarde demais para pular fora daquela história, ou para arranca-la de dentro de mim.”

Personagens protagonistas


Logo no início nos deparamos com Amani colocando em prática um de seus planos de fuga e ali já percebemos que ela é uma personagem habilidosa, destemida e determinada. Eu amei como ela é uma garota independente, que não espera por alguém para dizer-lhe o que fazer nas diversas situações tensas em que se mete – e mesmo que diga, ela sempre faz do jeito que acha melhor. Amani me conquistou desde o começo com seu jeito sarcástico e cheio de atitude, mas até o final da história ela ainda evolui muito, aprendendo com seus erros, acertos e os difíceis sacrifícios que precisa fazer.
“– Você não pode me julgar por querer ser algo além de outro grão de areia neste deserto.”
Jim, o garoto misterioso, é também muito charmoso e inteligente. Em alguns momentos você pode até pensar que sabe o que ele está escondendo ou quem ele realmente é, mas acredite quando digo que as coisas não são bem assim. A escrita de Alwyn Hamilton é muito ardilosa e pode levar o leitor a fazer interpretações equivocadas, só para encontrar novas descobertas mais a frente. Os segredos de Jim são revelados com o avançar das páginas, mas acho que ainda há muito nesse personagem para ser explorado e espero ver isso nos próximos livros da série.
“Era muito difícil confiar num garoto com um sorriso daqueles. Um sorriso que me dava vontade de acompanhá-lo até os lugares sobre os quais havia me contado, mas ao mesmo tempo me deixava certa de que eu não devia fazer isso.”

Girl Power


Não posso deixar de comentar as situações de desigualdade entre homens e mulheres, um tema que a autora abordou durante toda a narrativa. Foi impossível não pensar no movimento feminista que está tão em evidência atualmente não só no nosso país, mas no mundo todo. Discussões sobre igualdade, mulheres lutando pelo direito de escolher o que fazer com a própria vida e corpo sem serem julgadas por outros e claro, os homens que se dividem entre apoiarem ou hostilizar a causa.

“A Rebelde do Deserto” apresenta uma sociedade onde mulheres são subestimadas e submetidas às vontades dos homens, mas também traz uma protagonista feminina forte, que se recusa a viver assim e que encontra seus próprios meios para fazer valer a sua vontade. E não é só Amani, mas outras garotas com caráter semelhante aparecem ao longo da história para provar que as mulheres também são espertas, criativas, boas estrategistas e que podem sim liderar.
“[...] Quase havia esquecido a sensação de ser uma garota em Miraji. Eu desaparecia na multidão, mas de um jeito diferente de quando me vestia de garoto. Não porque era igual a todos os outros, mas porque como garota eu não importava.”
“- Sou uma garota que poderia ter me tornado qualquer coisa se tivesse nascido homem. [...] Mas nasci mulher, então estou fazendo isto.”
E elas não estão sozinhas. As garotas contam com o apoio dos homens que fazem parte da rebelião, que sabem respeitar e reconhecer a força e as decisões de suas mulheres. Todos eles estão unidos pelo objetivo de derrubar um sultão impiedoso, que deixa um povo inimigo tocar terror e controlar o país, além do desejo de mudar a sociedade onde a mulher é vista como um mero objeto.

Minha opinião


Para os fãs de uma boa aventura e fantasia, “A Rebelde do Deserto” é uma leitura indispensável. O livro possui todos os elementos de uma boa história, com uma protagonista forte, um aliado (e potencial interesse amoroso) inteligente e corajoso, momentos tensos envolvendo criaturas sombrias e soldados inimigos, uma rebelião contra um governo opressor e muita magia. A narrativa é fluída e bem desenvolvida, com suas sequências de cenas aceleradas que não deixam o leitor com aquela sensação de estar acompanhando uma história que parece não sair do lugar. As situações vão se entrelaçando, transformando-se em reviravoltas surpreendentes e todas essas combinações proporcionam uma leitura gostosa e rápida.

Sobre o trabalho da Editora Seguinte, não tenho nada além de elogios para escrever. A capa segue o padrão da estrangeira e é simplesmente lindíssima, do tipo que convida o leitor a conhecer a magia contida dentro do livro. A edição está impecável, com uma ótima diagramação, com fonte e tamanho das letras na medida certa para uma boa leitura, além de pequenos desenhos no início de cada capítulo, pequenos detalhes bem charmosos. A revisão do livro também está um arraso.

“A Rebelde do Deserto” consegue deixa o leitor grudado nas páginas, ávido por saber o que vem a seguir. O livro foi além das minhas expectativas e se tornou uma das minhas melhores leituras deste ano, além de entrar para a minha listinha de favoritos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO

O blog Paixonites Literárias não incentiva o download ilegal de livros. Por favor, peço para que não utilizem esse espaço de comentários para solicitar ou fornecer livros e/ou sites para download. Comentários dessa espécie serão excluídos.