Resenhas

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

[RESENHA] "ENCONTRANDO-ME", DE CORA CARMACK

Nome: Encontrando-me
Autora: Cora Carmack
Série: Losing It (#03)
Editora: Novo Conceito
Onde Comprar:Buscapé

Livro enviado como cortesia pela Novo Conceito
Qual era o meu problema? Hunt era só um cara qualquer. Homens nunca foram um desafio para mim... ou pelo menos não eram fazia muito tempo. Mas aquele homem... Ele me deixava confusa sem nem mesmo tentar.

A maioria das pessoas adoraria passar meses viajando pela Europa após concluir a faculdade sem responsabilidades, sem pais e sem limites no cartão de crédito. Kelsey Summers não é exceção.

Ela está no melhor momento de sua vida, pelo menos é o que continua a dizer a si mesma. Tentar descobrir quem realmente você é pode ser um negócio complicado, especialmente quando se está com medo de não gostar do que vai descobrir. Bebidas e festas não são sufi cientes para afastar a solidão de Kelsey, mas talvez Hunt possa ajudá-la.

Depois de alguns encontros casuais, eles embarcam em uma aventura pelo continente. A cada nova cidade, uma experiência. A mente de Kelsey torna-se um pouco mais clara e cada vez mais seu coração deixa de pertencer somente a ela. Hunt a ajuda desvendar seus próprios sonhos e desejos. No entanto, quanto mais ela aprende sobre si mesma, mais percebe o quão pouco sabe sobre Hunt.

Resenhas | Série “Losing It”


 


O que você faz quando não sabe o que fazer com a sua vida? Kelsey teve a ideia perfeita e no momento ideal. Após terminar a faculdade de teatro, ela parte para realizar aquele sonho que todo mero mortal tem: ir viajar, com passagem só de ida para algum lugar bem longe e com muito dinheiro disponível para gastar. E o melhor: sozinha. Afinal, como você foge dos seus problemas com companhia? Dando desculpas como: "quero conhecer mais o mundo" ou "quero me auto-descobrir" e até "vou festejar muito" ela parte com seu mochilão para a Europa Ocidental, motivada a viver uma aventura. Mesmo que na maior parte do tempo ela finja estar tudo bem, no fundo Kelsey desejava mesmo era encontrar uma forma de ser feliz, de amar a vida, e de esquecer toda a mágoa e dor que o passado lhe causaram, ao mesmo tempo que queria irritar seu pai e ficar bem longe de sua casa, que não era um lar para ela.

Porém essa forma utilizada por ela não estava funcionando muito bem. Uma noite, saindo de um bar a outro acompanhada de conhecidos do albergue onde estava dormindo, ela só pensa em beber e agarrar um dos caras ao seu lado. Desejando fazer com que o torpor do álcool a impedisse de sentir o grande vazio que a dominava, ela bebe e beija o russo que a acompanhava. Porém o beijo estava bem nojento e ela vai beber mais, porém acaba caindo e torcendo o tornozelo. No meio de toda essa confusão, ela conhece Jackson Hunt. Ele a encarava do bar, rindo da confusão em que ela se metera, e parte para ajudá-la. Assim que ele vê Kelsey, algo acontece e a atração simplesmente explode, mas ele sabe que não podia se envolver com ela, começando a tão conhecida batalha contra o desejo.

Kelsey fica intrigada pelo interesse de Hunt por ela e sua mania de rejeitá-la, mas com ele sempre aparecendo onde ela está fica difícil de controlar o desejo de conhecê-lo melhor. Jackson é um cara misterioso, mas que se identificou com Kelsey assim que a viu e percebeu o que havia por baixo de toda aquela máscara. Decidido, ele pede a ela uma semana para fazê-la mudar de opinião sobre ter um lar. Ela aceita, e assim os dois saem viajando por vários países e visitando outras paisagens. Quanto mais perto, mais os dois viam que a conexão entre eles era profunda, porém frágil. E tanto Kelsey quanto Jackson percebem que fugir da atração que sentiam não solucionaria o problema. Com muita coisa para vencerem nessa viagem, o destino se encarrega de lançar um desafio aos dois e coloca à prova o sentimento que havia despertado entre eles.

" - Kelsey, espere.
  Gritei de volta:
  - Estou cansada de esperar, Jackson. Acho que para mim chega.
  Segui a trilha até a cidadezinha, e as ruas estavam sujas de lama. Sentia as gotículas espirrando e sujando minhas pernas e coxas. Cheguei à casa onde estávamos hospedados e subi correndo as escadas que levavam à suite que havíamos alugado. Abri a porta e a fechei com um baque atrás de mim. Sabia que era uma infantilidade e que não poderia mantê-lo lá na chuva, mas me senti bem mesmo assim.
  Tirei as sandálias, espalhando lama e água no chão e nas minhas roupas. Depois, talvez porque estivesse louca ou porque não me importava, tirei minha camisa ensopada pela cabeça. A camisa caiu no chão assim que a porta da suíte se abriu. Eu a ouvi bater com um estrondo na parede uma duas vezes, movida pelo vento. Virei-me e encontrei Hunt paralisado na porta. Seus olhos se voltaram para a pele nua da minha barriga, molhada pela chuva e toda arrepiada. Sem pensar, eu disse:
  - Pode ficar lá fora. Quer saber, isso é outra coisa com a qual você não sabe lidar.
  Ele permaneceu paralisado na porta, as mãos grudadas à maçaneta. Desabotoei meu shortinho e o tirei pelas pernas, deixando-o cair no chão.
  - Na verdade, eu o desafio a entrar. Ainda me resta um desafio de Heidelberg. Então, eu o desafio a entrar e me beijar.
  Seu corpo se inclinou para dentro do quarto, mas ele continuou segurando a maçaneta, com os pés firmemente plantados na entrada. Seu rosto se contorceu como se ele estivesse com dor, mas Hunt abaixou a cabeça e desviou o olhar. Bufei.
  - Foi o que eu pensei.
  Virei-me e fui até o banheiro, no canto da suíte. Não era exatamente um banheiro, e sim uma plataforma elevada cercada por uma cortina. Abri a torneira e ouvi os canos assoviando ao mesmo tempo em que a porta foi fechada. Achei que Hunt tinha ido embora, mas daí ouvi sua voz grossa atrás de mim dizendo:
  - Que se dane!
  Suas mãos me seguraram pela cintura e me puxaram para trás, de encontro ao seu peito."
Gente, eu nem sei o que falar para vocês sobre esse livro. Fui a trouxona de sempre e fiquei muito emocionada e tocada pela história. Sabe quando você vê um livro e pensa: "hmm, deve ser bom" mas aí você lê e ele é simplesmente maravilhoso?! Foi isso que aconteceu comigo. Me identifiquei tanto com Kelsey que nem sei. Com seu humor cáustico beirando o sarcasmo e sua intensidade, assistimos de primeira fila suas mudanças e transformações. Se você já passou por um momento muito ruim na vida e precisou recomeçar, ao ler o livro você sentirá como se observasse sua própria mudança.

Jackson me tocou com sua simplicidade e força, e fala sério, quem não ama um soldado americano? Eles são tipo, a personificação de beleza com aquela outra coisa que só os macho alfa têm. Ao ler a história dos dois só consegui sentir a certeza. Aquela certeza que você não consegue explicar ou por em palavras, só sentir. Esse livro é sobre isso; sobre sentir. Há muito venho me treinando para encobrir minhas emoções, ou para não sentir e não deixar ninguém ver, e essa história me mostrou que é impossível fazer isso para sempre. 

Após ler fiquei com duas músicas da Alanis Morissette na cabeça, Ironic e Lens. Ironic porque a música toda fala verdades e acaba com a Alanis cantando a maior de todas: "a vida tem um jeito engraçado de aprontar com você; a vida tem um jeito engraçado de te ajudar"; e Lens porque esse casal maravilhoso ao mesmo tempo é tão oposto quanto semelhante, e que mesmo vendo o pior de si mesmos, cada um ainda enxergava o todo do outro através da lente do amor. Mas foi a Sia que me deixou mexida com Fire Meet Gasoline, e essa eu não sei explicar o porquê. Eu simplesmente vi Hunt e Kelsey nessa música. A letra é para mim como a conversão da história em música, e eu estou com ela no repeat a horas. (Aposto que vocês estão pensando: "Isa sua louca!" mas eu fiquei doida para compartilhar com vocês minhas músicas, desculpa.)

Eu tinha tantas coisas planejadas para falar (deveria ser crime falar isso depois dessa resenha enorme), mas tudo que consigo pensar agora é que essa história é única. A autora me levou para viajar junto com Kelsey, me fez sentir todas as suas emoções, e me ajudou a entender um pouco de mim mesma. Embora eu fiquei esperando o momento em que viveria a narrativa através de Hunt, a personagem principal é completa e conseguiu prender a atenção do leitor do início ao fim. Quanto a editora, venho por meio desta resenha agradecer e babar ovo; com uma tradução muito fiel, com alguns rodapés espalhados facilitando a compreensão do leitor, mais capa maravilhosa que te faz visualizar os personagens, a Novo Conceito fez meu natal. Foi o melhor presente que ganhei. Só eu sei o quanto esta narrativa me tocou e me deixou feliz. Não me contive e tive que parar um pouquinho para compartilhar ela com vocês. Estou louca para ler as outras obras da autora e assim que eu fizer isso venho contar para vocês como foi.





Nenhum comentário:

Postar um comentário

ATENÇÃO

O blog Paixonites Literárias não incentiva o download ilegal de livros. Por favor, peço para que não utilizem esse espaço de comentários para solicitar ou fornecer livros e/ou sites para download. Comentários dessa espécie serão excluídos.