Resenhas

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

[RESENHA] "FELIZES PARA SEMPRE", DE NORA ROBERTS

Nome: Felizes Para Sempre
Autora: Nora Roberts
Série: Quarteto de Noivas #04
Editora: Arqueiro
Onde ComprarBuscapé
Parker Brown tem praticamente tudo o que uma mulher sonha: uma casa maravilhosa, três grandes amigas em quem pode confiar de olhos fechados, uma carreira bem-sucedida, cintura fina e pernas torneadas, além de um closet do tamanho de um apartamento, onde todas as blusas são meticulosamente organizadas por tom e cada sapato tem seu nicho.

Parker mantém uma planilha em que controla o lugar exato de todas as peças no seu guarda-roupa. E essa sua mania de organização se reflete na vida pessoal e no trabalho. A moça conhece os gostos de suas amigas melhor do que elas mesmas e cuida sozinha de toda a administração da Votos – a melhor empresa de casamentos do estado. Então o que essa mulher que sempre quer tudo devidamente previsto e ordenado viu no mecânico que presta serviços para sua empresa?

Parker e Malcolm não podiam ser mais diferentes: ela com seus sapatos italianos e ele com botas de motoqueiro surradas; ela tomando champanhe e ele, cerveja; ela tocando piano e ele ouvindo rock no último volume. Mas será que eles não têm afinidade em tudo o que realmente importa? Os dois dão valor à família e aos amigos e fazem o que tem que ser feito (doa a quem doer), são generosos e compreensivos e, acima de tudo, sentem falta de um grande amor para completar suas vidas. Juntos, talvez eles descubram que chegou a hora de serem felizes para sempre .


Resenhas | Série “Quarteto de Noivas”


   


Parker é, sem sombra de dúvida, a mulher mais organizada que existe. Sempre focada e muito decidida, ela leva a vida do jeito que gosta e é muito feliz assim. Com a empresa a todo vapor, suas três amigas noivas e com o casamento de Mac já marcado, ela não poderia se recordar de nada faltando. Exceto é claro, seu "felizes para sempre". Sempre muito ocupada com a administração da Votos, ela não tem tempo para parar um pouco e relaxar, ou conhecer pessoas novas. E talvez por isso ela ainda esteja solteira. Mas tinha sua família improvisada e por isso era grata. Porém, um novo membro se insinuando para fazer parte do grupo a deixava nervosa. Malcolm Kavanaugh era o oposto de tudo que Parker procurava ou idealizava em um parceiro, e sempre que ele aparecia ela ficava tensa. Sempre tentando fugir de Mal, ela tenta evitar pensar na atração que sente por ele e como ele a deixa desestabilizada. E para Parker, não há nada pior do que algo fora do lugar.

Mal não entendia como Parker funcionava, mas tinha muito interesse em descobrir. Desde o dia em que ela, para provocar Del o beijara, ele não conseguia tirá-la da cabeça. Ciente de que ela seria difícil de conquistar, Mal decide não sair de perto e explorar essa tensão que sempre surge quando os dois se encontram. E assim, ele vai conquistando espaço na vida e no coração de Parker, que não esperava por isso e se vê sem reação perante a entrada de Malcolm em sua vida. Ela então decide aproveitar o que eles tinham, mesmo sem saber direito o que era.

Claro que Parker não contava com se apaixonar, ainda mais por alguém que era tão diferente dela e que não seguia em nada seu roteiro de "como será quando eu me apaixonar". Perdida em meio a tantos sentimentos e sensações que não esperava sentir quando se apaixonasse, ela tenta colocar as coisas no lugar e controlar tudo, mesmo que não estivesse conseguindo. Mal sempre foi muito independente e por ter sofrido muito na vida, não gosta de perder essa liberdade, nem de tocar em feridas antigas. Mas ao ver que Parker cada dia se torna mais importante, percebe que não pode continuar sendo assim, e que talvez ser dois é melhor do que ser um.
" E, já que era o momento de admitir o que pensava, precisava reconhecer que fora muito inteligente da parte de Malcolm prever a reação dela. Claro que ele podia muito bem estar confiando naquele seu charme controverso para convencê-la a subir na moto mesmo sabendo da aposta. Só não entendia ainda qual o sentido daquilo. Não dizer nada era mais garantido.

Mas não era esse o X da questão?, pensou Parker.

Ele não era do tipo que tomava o caminho mais fácil.

Que se dane, decidiu. Aproveitaria a experiência antes que ela fosse apenas uma lembrança arquivada."
Admito que demorei um pouco para fazer essa resenha por dois motivos: eu odeio despedidas e toda vez que começava a escrever, chorava. Sei que isso é coisa de gente trouxa, mas como vocês já devem ter percebido, eu sou assim, uma "trouxona" quando se trata do amor. E de outras coisas também, mas enfim. Parker me ajudou a abrir os olhos e ver que não se pode controlar tudo na vida, planejar cada momento, ou mesmo ter um roteiro de como as coisas devem acontecer. Sempre fui assim, ainda mais quando o assunto é amor, e sempre sofri quando as coisas não saíam do jeito que eu pensei. É horrível quando fazemos planos e vem alguém e muda tudo. Nos sentimos tão perdidos, pensando que não deveria ser daquela forma mas que ao mesmo tempo está sendo uma surpresa boa.

Mal me ensinou que não podemos simplesmente enfiar o passado em uma caixa e fingir que para viver o futuro devemos enterrar a caixa e agir como se nada tivesse acontecido. Não dá muito certo quando tentamos nos esconder e agir como se o que passou não nos transformou. Parece que o passado sempre volta nos cobrando que resolvemos os assuntos pendentes e, se a gente não ouve, a vida nos faz voltar à força. Ele também me ensinou que, se a vida te traz uma surpresa, algo inesperado, então aproveite. Não planeje cada segundo. Simplesmente viva. Essa história é com certeza, a minha segunda favorita da série. Nora Roberts sabe mesmo me emocionar, e esse Quarteto eu levo para sempre comigo. Já li os livros 23981391 mil vezes e vou continuar lendo. Cada personagem me emocionou e me ensinou, me fez sonhar e me deu esperança para acreditar no eterno. Espero que sinta isso também. Amei a capa, me fez imaginar o casamento dos dois. Editora arrasou na tradução, na capa, em tudo!

Sei que ás vezes você está lendo e não está sentindo o mesmo que eu, mas de todo meu coração espero que leia essa série. Para entender toda a história é importante ler em ordem, mas fica a seu critério. Meu coração está apertado por essa sensação de perda e saudade de pessoas que nem existem mas com quem aprendi muito, ri e chorei, e me identifiquei e compreendi. Aprendi a me aceitar com esses personagens que parecem tão reais. Vou deixar aqui meu trecho favorito e que me faz dar um sorriso, quando penso que essa sou eu falando com as minhas amigas e que a vida não segue roteiros ou planilhas, que tudo pode acontecer.
"Parker olhou de repente para Emma.
- Você está quieta, mas consigo ouvir que está pensando "que chatice!". No entanto, vai gostar do que vem. Ele diria que me amava. Pegaria minhas mãos, olharia em meus olhos e então diria. E um dia, voltaríamos à maravilhosa suíte ou à casinha ou à pousada e, no meio do jantar à luz de velas, ele me diria de novo que me amava, que eu era tudo que ele sempre quis e me pediria em casamento. Eu, é claro, aceitaria. É assim que se constrói um final feliz.
- Mas ele teria que estar com um enorme anel de diamante no bolso - acrescentou Laurel.- De no mínimo uns 5 quilates.
- Com certeza! - disse Mac e fingiu conter uma gargalhada.
- Pois eu achei bem bonito - observou Emma, fulminando Laurel com o olhar.
- É muito bonito e pode ser também ridículo, mas era o meu plano - disse Parker, apontando para o próprio peito. - Mas sou capaz de adaptar planos para que se ajustem às circunstâncias e necessidades.
- Ninguém melhor do que você para fazer isso - concordou Mac.
- Mas o que está acontecendo com Malcolm foge inteiramente do roteiro. Não passa nem perto, e mesmo assim estou apaixonada por ele. Agora eu lhe disse isso, o que descarta mais uma página do roteiro."

2 comentários:

  1. Tem uma idade certa pra ler os livros da Nora Roberts?
    Tenho catorze anos e gostaria muito de ler esses livros mas tenho medo de encontrar outras coisas no livro, como linguagem erótica, por exemplo, já que esse não é de longe, meu gênero literário favorito!
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não não!!! o foco da Nora não é esse, seus livros são mais romance mesmo. Mas como todo romance, vai ter a parte mais "íntima", mas é beeem rápida e de forma discreta. Aconselho para a sua idade autoras como Paula Pimenta, Thalita Rebouças,Kiera Class, que não adentram nessa seara do romance. Espero ter ajudado!! Beijos :))

      Excluir