Resenhas

quarta-feira, 15 de julho de 2015

[RESENHA] "TOCANDO AS ESTRELAS", DE REBECCA SERLE

Nome: Tocando as Estrelas
Autora: Rebecca Serle
Série: Tocando as Estrelas (#01)
Editora: Novo Conceito
Onde comprar: Buscapé

Livro enviado como cortesia pela Novo Conceito
Quando Paige Townsen deixa de ser uma simples aluna do ensino médio para se tornar uma celebridade, sua vida muda do dia para a noite.

Em menos de um mês, ela troca as ruas da sua cidade natal por um set de filmagens no Havaí e agora está conhecendo melhor um dos homens mais sexies do planeta segundo a revista People.

Tudo estaria perfeito se o problemático astro Jordan Wilder não fincasse o pé em uma das pontas desse triângulo cinematográfico. E Paige começa a acreditar que a vida, pelo menos para ela, imita a arte.

Nesse romance de Rebecca Serle conhecemos Paige Towsen, uma jovem de dezesseis anos apaixonada pela arte de atuar. Sonhando em estrelar uma grande produção, Paige atua desde sua infância, tendo em seu currículo participações que vão desde teatros da escola até comerciais de TV.

Desde que se entende por gente que a protagonista participa de testes para filmes e séries de televisão, mas nunca conseguiu nada além de pequenos papéis. Além disso, Paige mal pode contar com o apoio de sua família, que pouco presta atenção nela. Os pais e os irmãos, todos são bem acomodados com suas vidas simples, sem sonhar com altos patamares e, talvez por isso, não entendem o quão sério Paige leva seu desejo de se tornar uma famosa atriz.
“Talvez pelo fato de eu ser a mais nova de uma família grande, sempre espero decepções. O lema implícito da nossa casa é: “Quanto menor a distância do chão, menor a queda’.”
As coisas começam a mudar quando testes para escolher a protagonista de um filme são feitos em Portland, a cidade onde Paige vive. E não é para um filme qualquer, mas para a adaptação de “Locked”, uma trilogia literária que tem feito um sucesso estrondoso ao redor do mundo.

É claro que Paige não perde a oportunidade de participar, embora duvide que consiga o papel. Ainda assim, em seu interior, ela sente que dessa vez será diferente e que talvez as coisas possam dar certo para ela. E então acontece. Em um momento Paige é uma garota simples em uma família de desatentos, terminando o ensino médio com seus dois melhores amigos e de repente ela é a protagonista de um dos filmes mais esperados do momento, uma estrela em ascensão em Hollywood e novo alvo de paparazzis.
“Eu sei que não tenho chance nenhuma. Reconheço que a probabilidade de conseguir um papel como esse é quase nula, mas isso acontece todas as vezes que vou tentar alguma coisa do tipo. Estou me sentindo um pouco... esperançosa. Como se esta fosse a vez em que tudo mudaria.”
Em “Locked” Paige irá contracenar com Rainer, um famoso ator de vinte e dois anos que arranca suspiros das garotas. Por mais que Paige tente se focar em seu trabalho, a atração pelo astro é irresistível, ainda mais quando Rainer se mostra uma pessoa bacana e um amigo para todas as horas.

Do relacionamento amigável surge uma paixão, embora Paige tente levar as coisas lentamente, pois não está pronta para ter um relacionamento público. Mas então todas as suas certezas e sentimentos em relação à Rainer vão por água abaixo quando ela conhece Jordan Wilder, escalado para interpretar o seu namorado em “Locked”.

Jordan é um antigo desafeto de Rainer e também é o que podemos chamar de bad-boy. Aos olhos da mídia ele é um garoto problema que está sempre se metendo em encrencas. Jordan parece notar o envolvimento de Paige e Rainer, e ignora a protagonista desde o início. Mas isso não importa para Paige, que cada vez mais vê o enigmático rapaz tomar conta de seus pensamentos.
“Passei dezessete anos sem nenhum namorado, sem nada além de uma paixonite e agora eles são dois. Dois caras tão diferentes, como se fossem de espécies distintas, e, ainda assim, o jeito como eu me sinto perto deles...”
Jordan e Rainer são donos de personalidades diferentes e possuem uma história em comum, que explica o motivo de não se suportarem. Enquanto Rainer é simpático e atencioso, Jordan é reservado e misterioso.

O relacionamento de Paige e Rainer acontece naturalmente, de forma que o leitor consegue acompanhar e entender o porquê dela se apaixonar por ele. Isso não acontece com Paige e Jordan. Eles mal tinham trocado duas palavras quando ela começa a sentir-se dividida pelos dois garotos.

Confesso que por esse motivo foi difícil para eu entender essa atração de Paige por Jordan. Rainer esteve ao lado dela desde o início, dando suporte em questões pessoais e também profissionais, mas bastaram alguns olhares de Jordan para que ela encontrar-se envolvida em seus encantos.

Conforme a narrativa avança, a protagonista e o bad-boy finalmente começam a interagir, e aí que descobrimos que ele não é nada parecido com o cara descrito pela mídia. Seria mais compreensível para mim se o começo da indecisão de Paige em relação aos garotos fosse a partir desse ponto da história, pois é daí para frente que ela passa a ter uma noção de quem realmente é Jordan Wilder.
“- Jordan foi embora hoje.
Wyatt pigarreia.
- Vocês dois ficaram próximos.
Seguro meu cotovelos com as mãos. Minha voz parece pequena aos meus ouvidos.
- Ele é diferente do que as pessoas pensam.”
Deixando o triângulo amoroso de lado, eu amei a forma como a autora mostrou o relacionamento dos personagens no geral, tramando pequenos encontros, cada vez apresentando algo sobre a vida deles, apresentando os problemas e o desenrolar das soluções. A história me manteve envolvida do começo ao fim, aproveitando cada momento do livro. Sem qualquer grande mistério que me fizesse querer correr para a última página, tive uma leitura descontraída e gostosa, o que fez com que o final chegasse sem eu perceber. Pois é, li a narrativa sem pressa e quando dei por mim a história tinha acabado deixando um gostinho de quero mais.

Eu adorei a capa do livro. A combinação do fundo preto com um coração rosa formado por luzes, que de alguma forma lembram as estrelas de Hollywood, a deixou bem bonita e 'a cara da história'. Quanto ao trabalho da Novo Conceito, a editora acertou com o tamanho e fonte da letra, além de ter feito uma ótima revisão no texto. Eles fizeram um excelente trabalho que, claro, só ajudou facilitou na leitura.

O romance mostra os bastidores da vida em Hollywood e como esse mundo está cheio de pessoas agradáveis, mas também de pessoas asquerosas. Para nós que estamos do lado de fora é fácil acreditar em tabloides, mas só porque está escrito não significa que seja verdade.

Em sua própria maneira “Tocando as Estrelas” transmite mensagens importantes sobre ter persistência para alcançar o que deseja, fazer sacrifícios por aqueles que amamos e sobre amizades, de como é fácil ficar chateada por pequenos mal-entendidos e que por isso é preciso conversar honestamente sobre nossos sentimentos com as pessoas que amamos.

O final me deixou, como posso dizer... roendo unhas de ansiedade. Ali contém uma cena que para mim não é muito esclarecedora, além de ter uma questão da narrativa que não foi respondida (e que para alguns pode parecer algo bobo, mas me deixou curiosa de certo modo). Terminada a leitura e pensando nos garotos, digo que os dois são apaixonantes. Rainer é um amor, bem humorado e interage com todos, enquanto Jordan fica mais na dele, talvez para preservar os segredos que eles esconde da mídia.

Senti que ele era verdadeiro em tudo o que dizia para Paige, por isso fiquei intrigada quando ele disse que Rainer gosta de estar nos holofotes, o que deu a entender que é o motivo dele sempre namorar atrizes. Porém, em nenhum momento Rainer demonstrou ser esse tipo de pessoa. Penso que há muito mais sobre esses dois para conhecer e mal posso esperar por isso.

“Tocando as Estrelas” possui uma sequência, que eu espero que seja lançada no Brasil em um futuro muito próximo. Juntando o prólogo e o desfecho da obra, impossível não ficar curiosa pela continuação. 
“[...] Porque o que eu não entendo a respeito do amor – a coisa mais importante a coisa que faz livros e filmes valarem a pena – é que os grandes amores épicos não têm a ver com ter alguém. Têm a ver com saber abdicar. É um sacrifício que importa.”


Clique aqui e baixe um trecho da obra, disponibilizado no site da NC. 

2 comentários:

  1. Eu fiquei com mais vontade ainda de ler depois de sua resenha. Parabéns. Achei maravilhosa. Vou adiantar esse livro na lista.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada <3 Fico feliz que tenha gostado da resenha. É um ótimo livro e espero ansiosamente pela sequência. =D

      Excluir

ATENÇÃO

O blog Paixonites Literárias não incentiva o download ilegal de livros. Por favor, peço para que não utilizem esse espaço de comentários para solicitar ou fornecer livros e/ou sites para download. Comentários dessa espécie serão excluídos.